quarta-feira, 16 de março de 2016

Uma linda mulher!



















JÁ OUVI FALAR SEU NOME.


O que será de mim agora?!
Miserável pecadora
Que foi pega em adultério
desprezível infratora...

O que eu faço agora?!
Muitos dos que me condenam
Pelas ruas me arrastam
Sem a mínima compaixão
No meu leito se deitaram
no meu corpo saciaram

me envergonham em plena rua
já me viram toda nua
se achando tão perfeitos
e se julgam no direito
de minha vida vasculhar
o meu nome execrar.

São hipócritas fariseus
Que escondem os seus erros
Mas apontam para os meus
Como se eles fossem Deus.

O que será de mim agora?!
Eu vivi na escuridão
vejo neste homem tanta luz
Seu olhar é tão sereno
Eles o chamam de Jesus!

Já ouvi falar seu nome
Mas sempre dele desviei
Pois eu sempre acreditei
Que não iria aceitar-me
Pelo tanto que errei
Nesta vida fracassei
No pedado da luxuria
Minha fome saciei
E o meu coração vazio
Era outra escravidão
Me entregava a todo mundo
Mas vivia sem razão.

...Se estes homens me condenam
Querendo me apedrejar
Imagino então Jesus
Com este olhar de tanta luz
Seu semblante de bondade
Paz amor e sinceridade.

Ao ver nele tanta paz
Me arrependi de não ser capaz
De ter buscado o seu amor
De pedir-lhe por clemência.

E ainda que ele me condenasse
Com suas próprias mãos me apedrejasse
Talvez eu pouco me importasse
Morreria lentamente
mas feliz por morrer crente
Que foi morta por amor!...

Sua voz suave e calma
penetrou na minha alma
e me trouxe toda calma
um suspiro tão profundo
inundou meu coração
vi mudar todo meu mundo.

A multidão foi dispersando
Meus pecados foi levando
Me deixando com Jesus
Eu senti o seu amor
Resplandeci na tua luz
Foi-se embora toda dor
O vazio a solidão
Esvaiu do coração
Ele mudou a minha vida
Pois eu tive o seu perdão.

****


Havia naquela cidade um gueto um tanto recôndito e fétido em que frequentavam as mais exóticas personalidades. Personalidades estas, que viviam sempre execradas pela sociedade, prostitutas, bêbados, homossexuais, pessoas que eram tidos como escorias.

Este gueto era uma rua secundaria sempre preterida justamente devido às pessoas que frequentavam aquele local, ainda que pela lógica fosse o trajeto mais viável...

O que ninguém contava era com a queda de uma ponte que ligava a parte baixa a parte alta da cidade.
Esta avenida cuja ponte caíra era a principal e por ela fluía todo comercio que ficou restringido a dependência deste gueto cuja viela chamava-se rua boemia, viajantes, turistas, os cidadãos de um modo em geral passaram a fazer uso desta viela e consequentemente passaram a ter que conviver com aquele ambiente.

Mas nem por isto o gueto deixou de ser frequentado por aqueles que eram tidos como escorias, muito pelo contrário, estes se deliciavam com o aumento do fluxo de pessoas.

Entre os transeuntes havia os que mexiam, outros pareciam que estavam vendo assombração, outros meneava a cabeça em gesto de reprovação achando repulsivo todo aquele povo sem estirpe, já os medrosos viam um meliante em cada esquina...

Destacava-se entre as prostitutas daquele gueto uma linda mulher! Beleza de causar inveja inclusive nas filhinhas de madame que mesmo com todos os apetrechos femininos de valores exorbitantes não superavam tanta beldade em uma só mulher! 

Mas apesar de ser tão linda era excessivamente imoral em todos os aspectos possíveis, não respeitava a ninguém sempre ironizando com deboches, principalmente quando se deparava com pessoas religiosas...

***

__Bom dia dona idolatrina! Já beijou sua santa inerte hoje?! Olha! Cuidado para ela não cair no chão e se espatifar!...
__cruz credo virgem santa...
__E aí! Seu padre! Que tal a gente tomar um vinhozinho! Eu sei que o senhor é chegado, bem que o senhor podia me emprestar sua batina, é que eu tenho que ir a um velório...
__Toma postura mulher! Não vê que sou um homem de Deus!

Madalena sempre fazia chacota com as pessoas que segundo o entendimento dela se julgavam superiores, na verdade ela tinha ódio, magoa, de si, de Deus e de todo mundo.

__ Olá Pastor! Porque que Cê num larga este tribufu de muié feia, e vem morar comigo!...    
__Você ta é endemoninhada sua pervertida!        
__Oh! Amor!  Agora Cê fala deste jeito comigo né! Ontem Cê tava tão bonzinho!
__Que isto mulher sua mentirosa vadia!
__Uai Zé! Aonde Cê tava que Cê chegou tarde ontem?
__Eu não acredito que você vai dar ouvidos a esta Jezabel!
__Pois é dona Maria! Ele disse que a senhora ronca a noite toda...
__Aí ta vendo! Ela até sabe o meu nome!
__Presta atenção mulher! Não vê que ela fala pelos cotovelos!...
__Então como ela ficou sabendo que eu ronco de noite?
__É que você ronca tão alto que deu para ela ouvir daqui...

...E o casal foi seguindo o seu caminho na maior discussão deixando para traz Madalena que se contorcia de tanto rir. Na verdade ela apenas tentava amenizar toda magoa de toda dor que trazia embutido no fundo de sua alma.
Muito nova foi seduzida e depois rejeitada como um produto descartável sem contar a desilusão de ter perdido um filho que gerava no seu ventre já que obtivera um aborto muito suspeito.
Quantas foram as vezes que teve que retocar a sua maquiagem, quantas vezes na solidão do seu quarto escuro as lagrimas não diluíam sua máscara de ironias.
Aos quinze anos, iludida seduzida por um rebelde motoqueiro filho de um importante fazendeiro latifundiário, em que depois disto sua vida virou de ponta a cabeça.

 Vítima de um complô que teve a conivência de seu pai que silenciou-se até mesmo mediante ao aborto que ela sofrera.
 Antes deste aborto foi oferecida a ela uma vida bem estruturada longe daquela cidade, e tudo que ela teria que fazer e renunciar ao seu filho abortando-o e quem mais insistia para que isto acontecesse era o seu próprio pai, obviamente comprado por uma boa quantia.

Como ela não aceitou, acabou ficando sem filho, sem casa, sem nada, já que aquele que dizia tanto amá-la desfilava pela cidade com um novo amor!...
Teve que deixar a cidade por ter sido acusada de envolvimento com droga coisa que ela nem sabia o que era ao certo, neste complô foi parar a beira de uma rodovia, ainda se recuperando de um aborto que sofrera sem uma razão lógica, alias! Nada tinha lógica!

Mesmo sendo acusada de estar com uma boa quantidade cocaína, foi lhe permitido que saísse da cidade desde que não mais regressar-se...
Existe momentos que a vida por si mesmo não se explica, Madalena vivia um destes terríveis, horríveis momentos, ao conseguir carona, foi estuprada violentamente por um truculento caminhoneiro numa noite de pânico em uma estrada literalmente isolada e depois de tantas humilhações escondeu-se sob uma mascara e ironicamente fez do sexo o seu ganha pão.

Porém nada limpava as agruras do fundo de sua alma, era como uma lagoa muito linda em sua superfície, mas cheia de maculas no seu interior.
Embriagava-se, se drogava constantemente, houve uma tarde de sábado em que estava muito deprimida, mas ainda não havia bebido nada, ela que teve a oportunidade de ser rica, já que a sua beleza fizeram influentes homens caírem a seus pés, conseguiu até mesmo praticamente destruir a família que desgraçou a sua vida, pois de forma indireta levou aquele que se deitou com ela pela primeira vez a envolver-se com drogas prostituição e o mesmo acabou contraindo AIDS matando a si mesmo e consecutivamente ao próprio pai que passou a ser um morto vivo.

Madalena fez questão de ir acompanhada com um importantíssimo político ao velório daquele que seria o pai de seu filho foi quando viu sua vingança consumada, mas que não atenuou todo ódio toda magoa todo rancor que ela sentia por todos, principalmente do próprio pai...

Nesta tarde especifica de sábado estava um tempo cinzento ela deparou-se com um belo rapaz que portava consigo um bíblia, este rapaz era um missionário e muito embora ainda jovem trazia na alma a experiência de um ancião, havia deixado o conforto de uma igreja muito conceituada onde teria bem melhores condições de emancipar-se e atendendo ao apelo de Jesus Cristo seguia por lugares periféricos esquecidos pela sociedade a fim de levar o amor de Jesus, e este mesmo Jesus colocava agora aquela linda mulher no seu caminho...

__Paz do Senhor irmão! Cumprimentou ela com ar de deboche.
__Paz do Senhor minha querida! Tudo bem contigo?!
Respondeu serenamente o belo rapaz... Ela não entendia o porquê, mas havia algo diferente e um tanto sem graça deu continuidade a divina comedia humana, o show não podia parar...
__Porque não entra gato! O meu quarto é bem quentinho! E está tão frio!...
__Boa ideia! Não sabe o quanto andei até chegar aqui!
Surpreendida com a resposta sem saber como agir acabou concluindo a ideia e assim que chegaram ao quarto ela começou a tirar a roupa, mas de súbito é interceptada pelo jovem itinerante.
__Espere um pouco minha querida.   “Ela se viu bastante confusa”.
__Qualé cara! Vai fazer hora com a cara da mãe, se tá sem dinheiro pode dá o fora! Ou melhor!... Pra você eu abro uma exceção, pois além de gato você não é da área.
__ Olha! Eu sei que você já se relacionou com vários tipos de pessoas e isto a deixou um tanto desgastada, mas já experimentou ser amada de uma forma diferente?
__Ei. Que papo é este?
__Ser amada por inteiro, sentir toda essência deste amor no mais profundo de sua existência?
__Olha cara! Dá o fora do meu quarto... Pô! Ninguém merece...
__Tudo bem! Eu vou, mas, por favor! Pelo menos deixe que eu te fale deste amor que mudou a minha vida...
Fluía tanta paz daquele jovem que ela se manteve inerte á ouvi-lo.
__Existe alguém que te ama de mais! Ele não se preocupa com o que você é! Deseja apenas que você entregue o seu coração para ele...
__Ah! Já entendi!...  Como eu sou burra meu Deus do céu!
Cê tá querendo me converter! Num é isto? Só que eu num to a fim de passar pra crente cara!
Mas se eu mudar de ideia, pode deixar que eu te procuro, valeu!
__Você não está  me entendendo! Eu não quero que passe para a minha religião, e sim que conheças um Deus chamado Jesus Cristo.
__Num tem jeito veio! Cês são tudo igual! Eu vivo sendo apedrejada por tudo enquanto é religioso que se acham a cima do bem e do mal...
__Eh! Você usou a palavra certa! “religioso” só que Jesus Cristo é muito mais do que tudo isto!
Ele é a vida nem nossas vidas! É amor, paz, perdão.
O jovem falava de forma tão profunda, sublime, que ela acabou chorando como criança, suas palavras fluíam como balsamo aliviando todas as feridas causadas pelo tempo, pela primeira vez ela fora amada de verdade, com um amor que jamais imaginou existir...

Depois de um bom tempo sem ver a bela jovem, o missionário itinerante sentiu no coração o doce aperto surgir todas as vezes que dela se lembrava, percebeu que estava enamorado daquela linda mulher.

Ao voltar teve um susto, pois encontrou na mesma esquina aquela que o convidou para entrar no seu quarto e praticar orgias, mas aliviou-se soltando um alegre sorriso. A mulher que deixou adormecida no leito depois de ter chorado como uma criança estava agora a falar do amor de Jesus Cristo tendo nas mãos a bíblia que ficou ao lado do travesseiro presente ofertado por ele.
Na verdade Madalena passou a guardar em segredo um sonho que até então parecia impossível, ver este mesmo jovem que aprendeu a amar em silencio voltar, não para uma noite de orgias, mas para a consolidação de um matrimonio digno de honra, bem como um leito sem macula.

 (Hb. 13: 04).







Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu seu filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. -João, 3:16-

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Reflexões... [Ao ouvir Prisma.].

. A teoria  da relatividade nada mais é do que a ilação abstrata que só se concretiza consolidando literalmente quando orquestrada por...