segunda-feira, 10 de junho de 2013

Rei dourado

Batia o feiticeiro em seu tambor
e dançava e cantava e pulava em sua dor
gemia e chorava o seu horror
seu amor foi para longe e não voltou!...

Índia bela jovem linda
viu o brilho no olhar
suspirou profundamente
o direito de amar!

Se entregou foi por amor
não quis mais ali ficar
foi carregada pelos braços
em um lindo cavalo branco!...

Quão terrível feiticeiro
tão horrível mensageiro
entre as pragas e maldições
percorreu pelas nações
tão em vão sem ter amor.

Viu seu elo ser quebrado
seu orgulho despojado
pois não era ele amor
nunca soube o que é amar!

Este o velho feiticeiro
se forjou no seu querer
investiu no seu poder
mas não há poder sem ter amor.

Irou-se o índio feiticeiro
quando viu belo guerreiro
retirar do seu terreiro
sua índia bela flor
toda feita de amor
tão afeita pro amor.

Maravilhosa e deslumbrante
quão sublime uma princesa
não nasceu para os falsos
para o guerreiro é sua beleza.

Ele veio tão contente
saltando pelos montes
com seu rosto iluminado
majestoso Rei dourado.

E a índia emudeceu
coração forte bateu
o guerreiro era seu
ela sempre fora do guerreiro



Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu seu filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. -João, 3:16-

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Reflexões... [Ao ouvir Prisma.].

. A teoria  da relatividade nada mais é do que a ilação abstrata que só se concretiza consolidando literalmente quando orquestrada por...