quarta-feira, 20 de junho de 2018

Esta síndrome da ganância



Vejo crentes tão equivocados
vivem tão alienados
com seus sonhos conturbados
onde eu envergonhado
não consigo mais ficar calado...

Hoje prega-se uma nova doutrina
que deturpa e alucina
verbalmente ela assassina
o conceito de um cristão.

Tira-nos os pés do chão
e nos enche de ambição
nos extorque à revelia,
mas não fala de perdão.

Não nos leva ao compromisso
nos tornando tão omisso
mas eu digo nem por isto
vou calar a minha voz.

Esta síndrome da ganância
e não há quem a condene
pois se fazem tão solenes
entristecendo tanto a Deus.

A teologia da prosperidade
dirimiu a idoneidade
pois esconde a verdade
ao prometer rios de ouro
e nos compra com tesouro
mas nos rouba a salvação.

Ela nos diz para ajuntar
todo ouro aqui na terra
em que a vida se encerra

esquecendo que a traça
convertida na desgraça
vem minar e corroer
nossa fé e sem querer
preterimos ao temor
já não temos tanto amor
para com Jesus nosso Senhor!

Vejo rios de dinheiro
ofertados no altar
mas as mãos cheias de pecados
que estão à barganhar
não se lembra que há o próximo
pois seu próximo é ele mesmo
vive olhando no espelho
e não chega da janela
para olhar para quem sofre.


E o tesouro que se herda
desta teologia da prosperidade
que é uma  falsa identidade...

Como ópio para o cristão
que se esquece do irmão
que se esqueça que o amor
fluiu em dor na cruz
quando nosso Deus Cristo Jesus
para emanar a sua luz
todo sangue derramou...

Não se fala em arrependimento
E promete maravilhas
pois só fala de dinheiro
o de como tornar-se rico.

Prosperidade sei que é bom
mas não aludida à ganância
onde o teor desta herança
é querer sempre ter mais
é tornar-se sempre menos...

Não andemos ansiosos
com o de comer ou de vestir,

mas ignoramos nossas aves
que voam livre lá no céu
abrilhantam o seu véu
elas não plantam e nem colhem
nosso Deus sei as acolhe,

esquecemos que os lírios
não se fartam no delírio
já que Deus de tudo cuida.

O evangelho não é isto
triunfalismo sem o compromisso
onde crentes tão omissos
vão fugindo ao compromisso
de uma vida com temor
converter-se por amor
numa essência com o teor
de Jesus nosso Senhor

e vão servindo a Mamom
e querendo sempre mais
até descer a sepultura
e seguir para o inferno.



 Não ajunteis tesouros na terra, onde a traça e 
a ferrugem tudo consomem,
 e onde os ladrões minam e roubam;
Mas ajuntai tesouros no céu, 
onde nem a traça nem a ferrugem consomem, 
e onde os ladrões não minam nem

terça-feira, 19 de junho de 2018

O sal das lágrimas que salga os lábios.


Dizem que as lágrimas lubrificam os olhos...
Tecnicamente isto é tão sem sal e sem sentido
não traduz o sal das lágrimas que salga os lábios
e tempera as emoções do coração

e desopila a alma
trazendo o sentimento de resignação
tornando menos sombria a solidão
e depois faz adormecer...

Eu vi uma criança a chorar
quis carregá-la em meu colo
e dizer vai passar!
Querida! ...
Não chore, pois vai passar! ...

Vi uma linda mulher sofrendo
por causa de alguém
que não soube dar-lhe o devido valor,
e por mais bela que fosse
viu-se triste impotente
meu Deus como ela é linda
mas sentia-se como uma indigente.

...E o marido que partiu
partindo o coração de uma família
vi uma mãe despedaçada
e um lindo castelo  ruir
e por causa de um só
toda uma família deixar de sorrir!...

Mas o sorriso há de voltar
toda dor há de esvair
é só ter fé e confiar
aquele que agora chora
haverá de sorrir.

Pois toda lágrima é sublime
mesmo quando em um adeus
quando em silencio vai para sempre
levando um pedaço da gente
e a gente
infelizmente
se sente tão carente
ao ver parte da gente
em silêncio partir...

Até o próprio Deus já chorou
ao ver seu único filho morrer
e depois numa lágrima renascer
ressuscitou agora vive em mim
e quer viver em você
e te fazer feliz!

Ele também já chorou
também conhece este sabor
salgado teor de uma lágrima
Jesus Cristo  também já chorou,
e chorou foi por amor! ...





O choro pode durar toda uma noite, 
mas a alegria vem pela manhã.
Salmos, 30: 05

segunda-feira, 18 de junho de 2018

O cântico da ironia.


Ouço uma canção religiosa, que emana lividamente, em fugaz incandescente manifestação, trazendo pura e tola ilusão, mas deturpa tanto o coração!

Fluxo que inebria a alma, e o cântico faz fechar os olhos, enquanto flutua-se em um vazio.

E o cálice cheio do cio, embebeda um ego narcotizado, coração um tanto mutilado, tão escravo do pecado, sem sentir-se perdoado vive preso no passado.

Muda esta vida ó doce Espírito Santo!

Faz encher este coração, vem tirá-lo desta ilusão, preencher com algo mais que seja apenas uma canção...

Vem limpar todo pecado, da lascívia e prostituição, idolatria e da religiosidade, tão volátil alienação.

Faz nascer um vaso novo, para de novo então cantar, um verdadeiro cântico entoar, põe mais timbre nesta voz e mais voz no coração, mais coração dentro da alma.

Que não se fale apenas em amar, mas que se ame de verdade e em espírito e em verdade, somente a Deus viva a adorar!

Ouço o cântico da ironia, vejo uma imagem em romaria, cair ao chão se espatifar, vejo a fé deste meu povo em pedaços pelo chão e em lágrimas catam os cacos, são pedaços tão em vão, que consolidam a sua fé, mas não edifica um cristão.

Cantai ao Senhor um novo cântico, mas um cântico cheio de luz levantai vossas cabeças ó portas eternas, deixai entrar o Rei da glória, quem é o Rei? Quem é o Rei da glória?!
Aleluia! Ele é para Jesus! Cântico de sangue fala da cruz.

Crucifica-me ó Deus! Nego a mim, eu quero esta cruz! Renuncio-me a mim mesmo para buscar somente a Jesus!

Livrai-nos desta idolatria, tão patética romaria, que segue em torpe melancolia, derramai tua alegria, nestas vidas tão vazias...
Vou dobrar os meus joelhos, vou olhar-me no espelho, quero ver neste espelho, a tua imagem semelhança, os meus

olhos não são de vidro, nem tão pouco sou de gesso, vem habitar em meu coração dá-me ó Deus o teu perdão, e ensina-me outra canção! ...





Este povo se aproxima de mim com a sua boca e me honra com os seus lábios, 
mas o seu coração está longe de mim.

Esta síndrome da ganância

Vejo crentes tão equivocados vivem tão alienados com seus sonhos conturbados onde eu envergonhado não consigo mais ficar calado...