terça-feira, 21 de outubro de 2014

Nas redomas incolumes























Nas redomas incólumes de suas razões
que são feitas na minha ausência
as pessoas se reúnem e fazem o seu consenso
que definem a respeito da minha própria vida
e avaliam-me segundo as suas convicções
dando o seu veredito a revelia.

Na verdade elas não sabem o quanto foi-me difícil
trazer-me até aqui, fingindo estar sempre a sorrir!

Quantas lágrimas quantas dores me custaram
o quanto tive que suportar para superar,
a dor da ingratidão, a dor da incompreensão
o gelo da solidão?!

É!...

Quantas vezes a vida disse não
eu tive que voltar com as mãos vazias
o coração espatifado?!

Quantas vezes eu chorei calado
nos escombros da desolação?!

Para que hoje eu pudesse ter um pouco mais de paz
e torne-me incapaz
de fazer parte de suas redomas
julgando  a outrem
que não seja eu mesmo.




Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu seu filho unigênito,
 para que todo aquele que nele crê não pereça,
 mas tenha a vida eterna.
 -João, 3:16-

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cães ladram, mas a carruagem passa.

Existe uma enorme influencia advinda de filosofias progressistas que deturpam de forma profunda o conceito familiar, eu sei que é impor...