sexta-feira, 2 de setembro de 2011

The secret - o segredo




"O antagonismo do livro o segredo"

Não há como promulgar um paradigma profícuo que não seja utópico, volátil, se o estabelecermos a revelia da vontade soberana de Deus.

Princípios filosóficos baseados no humanismo alienam convertendo-se em algo perecível volátil já que pauta pela auto-suficiência.

 Consciente ou mesmo inconsciente, toda filosofia que busca um ilibado conceito advêm de princípios fundamentados por este maravilhoso ser supremo que é Deus e ele governa de forma imperativa sobre toda existência, seja ela abstrata ou concreta.

... Avaliando a questão de forma subjetiva nossa efêmera e tão comum falibilidade humana torna inconsistente nossos ideais já que se manifesta de acordo com nossas limitações...

Como disse certa vez Shakespeare:

“A mais mistério entre o céu e a terra do que a nossa vã filosofia”

Em hipótese alguma estou negligenciando a capacidade humana dirimindo desta forma os seus valores, grandes coisas o homem tem feito em favor desta humanidade.

Porém, o propósito é aliar a capacidade humana a incomensurável superlatividade de Deus.


O respaldo oferecido por ele corrobora para consolidação de um paradigma inexorável inalienável.


Toda subserviência deve parir de baixo para cima jamais de cima para baixo, e se o que se submete o faz a alguém volúvel conseguinte este será perecível de subserviência débil... 


A historia criou grandes pensadores e com eles as mais profundas filosofias aonde idéias perpetuam as suas existências.

Ainda que tais filosofias tenham transcendido eras, são apenas conceitos que se tornaram obsoletos caindo no ostracismo, e a maioria deles são humanistas hipotéticos!...

A própria filosofia promulgada pelos homens que falaram e ou ainda falam em nome de Deus sem a excelência deste mesmo Deus não passa de um ambíguo ritual religioso.

Mas quando invocamos a intrínseca manifestação teofânica advinda da sua essência, não apenas transcendemos eras, mas transcendemos dimensões e quanto mais renunciarmos ao egocentrismo antropocêntrico humanista com perdão da redundância!...

Sublevamos a nossa magnitude e nos tornamos imbatíveis e os nossos sonhos não são tão utópicos tão voláteis, pois convergimos a nossa filosofia em algo profundamente reverberador sólido e ilibado...



SALMOS [139]


1 Senhor, tu me sondas, e me conheces.
2 Tu conheces o meu sentar e o meu levantar; de longe entendes o meu pensamento.
3 Esquadrinhas o meu andar, e o meu deitar, e conheces todos os meus caminhos.
4 Sem que haja uma palavra na minha língua, eis que, ó Senhor, tudo conheces.
5 Tu me cercaste em volta, e puseste sobre mim a tua mão.
6 Tal conhecimento é maravilhoso demais para mim; elevado é, não o posso atingir.
7 Para onde me irei do teu Espírito, ou para onde fugirei da tua presença?
8 Se subir ao céu, tu aí estás; se fizer no Seol a minha cama, eis que tu ali estás também.
9 Se tomar as asas da alva, se habitar nas extremidades do mar,
10 ainda ali a tua mão me guiará e a tua destra me susterá.
11 Se eu disser: Ocultem-me as trevas; torne-se em noite a luz que me circunda;
12 nem ainda as trevas são escuras para ti, mas a noite resplandece como o dia; as trevas e a luz são para ti a mesma coisa.
13 Pois tu formaste os meus rins; entreteceste-me no ventre de minha mãe.
14 Eu te louvarei, porque de um modo tão admirável e maravilhoso fui formado; maravilhosas são as tuas obras, e a minha alma o sabe muito bem.
15 Os meus ossos não te foram encobertos, quando no oculto fui formado, e esmeradamente tecido nas profundezas da terra.
16 Os teus olhos viram a minha substância ainda informe, e no teu livro foram escritos os dias, sim, todos os dias que foram ordenados para mim, quando ainda não havia nem um deles.
17 E quão preciosos me são, ó Deus, os teus pensamentos! Quão grande é a soma deles!
18 Se eu os contasse, seriam mais numerosos do que a areia; quando acordo ainda estou contigo.
19 Oxalá que matasses o perverso, ó Deus, e que os homens sanguinários se apartassem de mim,
20 homens que se rebelam contra ti, e contra ti se levantam para o mal.
21 Não odeio eu, ó Senhor, aqueles que te odeiam? e não me aflijo por causa dos que se levantam contra ti?
22 Odeio-os com ódio completo; tenho-os por inimigos.
23 Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração; prova-me, e conhece os meus pensamentos;
24 vê se há em mim algum caminho perverso, e guia-me pelo caminho eterno.






Na fornalha da esperança,

De forma redundante sempre afirmo que os diamantes são raros de valores tão caros, mas que de nada valem para quem não lhes sabe dar o ...