quarta-feira, 1 de junho de 2016

Santa ladaínha! . . .


Povo nosso
que estais na terra
envergonhado seja o seu nome
vergonhoso é o teu reino
sendo podre a tua vontade
só na terra
esquece do céu
e o pão de cada dia
não dás hoje
é tão grande os seus pecados
que não se livra de todo mal.



Ledo engano que jamais acaba com o dano
daquilo que esconde o que é profano
naquilo que entra ano e sai ano
está coberto com o mais lúgubre pano.

Se tira uma máscara a outra aparece
para mascarar esconder
aquilo que desde de todo sempre
está claro evidente
só não vê quem não quer ver.

Por baixo da mascara
a pseudo identidade
aonde ternos caríssimos
esconde a identidade

...E tal qual num baile
de uma festa bacana
mas que festa profana!
E nós é que dançamos

a dança do engano
o engano das propinas
do dinheiro desviado
e dançamos sem saúde
nestes hospitais sei tão lotados

no buraco de cada estrada
que são as estradas cheias de buracos
aí não mais dançamos
mas tristes choramos
quando infelizes enterramos
nossos entes queridos
que morreram desprotegidos
nos desastres da vida.

E vidas inocentes
a mercê de displicentes
tal qual foi a boate kiss
que infelizmente não quis
proteger tantos jovens

talvez seja por isto
que o símbolo da justiça
é uma mulher com venda nos olhos

para não ver meliantes
que se infestam qual moscas
esta lei nunca os pune.

Quem sabe haja esperança
quem sabe na próxima eleição 
votaremos com transparência
naqueles que fazem por merecer
e não cederemos à aqueles
que são hábeis ao fazer
belas mascaras que escondem
o que eu você
talvez por puro comodismo
preferimos não ver

Sei que nossos marginais de cada dia
se infestam é pandemia
e a sensação de impunidade
avassala toda dignidade.

Sei que o mau está feito
causando malefícios
deturpando a sociedade.

Mas quem realmente é o culpado?
...E quem realmente é inocente?
Se nem todos são culpados
nem tão pouco inocentes.

Vejo marginais de ternos caros
caros carros
que assassinam milhares
enquanto extorquem seus milhões.

Vejo uma consciência coletiva proativa
pejorativa a emanar sua anarquia
insuflar nossas crianças
retirar-lhes a esperança
com ideias tão vis
de conceitos tão viris.

O eufemismo democrático
a liberdade de expressão
que seria maravilhosa
se não coadunasse com a omissão.

Outras crianças vão crescer
sem ao menos entender
o que é profilaxia
o que seria inclusão,

serão inclusas nas estatísticas
que hoje as convertem em vitimas
para depois de vitimadas
avassalem novas vitimas
neste circulo vicioso
onde o maior culpado somos nós

cada um de nós...


Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu seu filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. -João, 3:16-

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O amor é a base para ser o que o somos. [Ao ouvir REM- Everybody Hurts]

                            A vida me ensinou que não adianta desejar algo que nunca será nosso. ...