sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

O caçador de esmeraldas.

 Nos relatos da historia do Brasil, conta-se uma que eu guardei no fundo de meu coração...

A historia de Borba Gato.

Bandeirante pioneiro que desbravava as entranhas de Minas Gerais em busca de seu sonho que tinha o brilho das esmeraldas em que pelo qual abdicou da própria vida dando a este sonho total valor a ponto de que em sua morte, despedir-se feliz acreditando ter alcançado o seu objetivo.

Não viveu o suficiente para saber que estava equivocado...

Agora Senhor!
Despede-se o teu servo em paz, segundo a sua palavra, pois os meus olhos já viram a salvação, “Luc. 2: 29 – 30”.

Simão um homem justo que aguardava a consolação de Israel trazia em seu coração a incansável esperança que contemplaria toda glória de Deus encarnada sob a forma humana, até que já avançado em idade, pode ver a salvação da humanidade na metafórica e frágil estrutura de uma criança chamada Jesus Cristo.
***
...Fui um homem que desde a minha infância, sempre sonhei muito e nunca vi os meus sonhos realizados, muito pelo contrario,  os vi desvanecer um a um!
E morria lentamente com estes sonhos ao vê-los converter-se em frustrações desilusões...

Quando me converti a Jesus Cristo, recebi e percebi a graça imerecida da salvação, moldando-se então um novo sonho.

 O mais sublime e digno sonho de converter-me em seu atalaia anunciando as boas novas, revivendo os sublimes valores cuja dor do parto foi no gólgota.

Mas se eu morresse como foi o caso de Borba Gato, também como ele eu iria tranquilo e feliz, mesmo que não realizasse este sonho tão sublime que sobrepujou a todos outros sonhos que já tive em minha vida.

Tal como Simeão eu contemplei a minha própria salvação, o sonho que eu sempre ignorei me veio através de uma infinita misericórdia que nunca fiz por merecer, e afirmo:

Todo homem tem todo direito e o dever de sonhar! Por este sonho lutar!

Mas tudo o que ele precisa já obteve de graça, é só tomar posse.

A vida de Deus doada por Jesus Cristo, gerada pelo Espírito Santo.






Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu seu filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. -João, 3:16-

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Uma religião não tão materialista.

Senhor!...

Nas mãos de quem está a razão?!

Daqueles que falam o teu nome,
mas propagam o evangelho
oferecendo vãs promessas
de uma vida abastarda?!


Eu me sinto segregado,
até por ti me sinto desprezado
perdoe-me por dizer,
mas até por ti meu Deus querido!

Às vezes sinto-me ignorado.

Os meus sonhos tão frustrados
sonho em vão ao leu jogado
sinto-me tolo um patético
apesar de tão poético
que sonhou com um evangelho
que não fosse tão herético.

Uma religião não tão materialista
tão enxovalhada de artistas
e magnânimos conferencistas
mega stars
e pop stars
que em vez de te adorar
só adoram o bem estar.

Sou um tolo sonhador
que aludiu o seu amor
com um evangelho puro e simples
sem ter tantas heresias
em ofertas onerarias
para que vidas operárias
através destas ofertas
se tornassem empresárias.

Os cantores já não cantam
por amor ao evangelho
mas tornaram o evangelho
em que luzes luminosas
resplandecem nas ribaltas
cobram um mundo em dinheiro
e se cobrem com o tesouro
mas esquecem que o seu ouro
nunca esteve aqui na terra.

Houve um povo desprezado
que na fogueira foram queimados
vi os mártires da igreja
por leões dilacerados
vi a dor da inquisição
o amor ser perseguido
hoje o vejo ser aludido 
com está gananciosa teologia
que a todos contagiam
pois só fala em bonança
que o ouro é a esperança
ela esconde que Jesus
morreu humilhado numa cruz.

Devo então também eu me vender?
Deixar-me seduzir?
Como os outros me render?

Já que este evangelho
se perdeu no seu caminho
excluiu todos espinhos
e os cravos de sua cruz
hoje falam de Jesus
e aludem a sua luz
com as luzes da ribalta.

Uma vida só de prosperidade
e esconde a verdade
que um dia o seu amor
teve a vil dor como penhor
que se fez o salvador.

Prefiro que tire a minha vida
levando-me à sepultura,
deixa eu morrer em paz
pois  não quero ser capaz
de vender seu evangelho.

****

         O evangelho de Jesus é para todos, mas a doutrina do Espírito Santo é somente para aqueles que desejam serem salvos.

         Existe uma enorme diferença entre os que apenas escutam a mensagem do evangelho para os que amiúde buscam uma meditação e entronização com Deus através do Espírito Santo.

         Muitos professam a fé em Jesus Cristo, guiados apenas pela emoção e vivem influenciados por um raciocínio lógico germinado pela consciência coletiva que estabelece  seus paradigmas, e que indiferente de religião, vale mais o núcleo de um convívio e suas diretrizes elaboradas por uma razão convencional do que a verdade absoluta.

         Assusta-me certos exageros nestes movimentos extremamente perdulários que mesclam-se de inúmeros artistas  convertendo o propósito em apenas um show publicitário, aparentemente isto parece inofensivo mas este tipo comportamento tem banalizado  demais o cristianismo e com isto sucateado a sã doutrina.

E dói! 
Como dói ver alguns que cobram valores exorbitantes em cachês de igrejas que distante da vontade de Deus resolvem satisfazer a ganância destes mesmos artistas e já nem sei quem está mais errado, se os que cobram ou os que pagam.

         Quantos convivem com uma ideologia ainda que com ares de teologia, mas não tenham a mínima noção da profundidade de uma genuína vida cristã, muitos se batizam sem a consciência da responsabilidade não sabem na íntegra o significara a palavra arrependimento, pois as igrejas, não todas, tem se preocupado com a quantidade e renda per capita e não com a qualidade, é obvio que estou falando em tese.

         Isto traz uma tristeza tão grande no coração de Deus fazendo-o lembrar da igreja medieval quando no afã de estender seus marcos induzia enumeras pessoas  a sua crença até mesmo batizando-as aos milhares, e quantos batismos estão sendo efetuados a revelia sem a mínima responsabilidade e com milhares...

Mas e depois desta emancipação, desta proliferação?

         Como aleluias “insetos oriundos do cupim” e como tais insetos que se perde ao reflexo da luz e depois se despedaçam no chão sem asas a mercê de implacáveis predadores..., tão poucos conseguem sobreviver!
         Só que há uma enorme diferença entre almas que morrem sem um apoio ostensivo e simples insetos, não podemos levar vidas e mais vidas a revelia e depois tal como Pilatos lavarmos as nossas mãos dando as costas para o grande numero de pessoas que conseguimos atrair deixando-as esfaceladas em total miséria espiritual.



Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu seu filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. -João, 3:16-

terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

Celebres pensadores.

Certo homem estava assentado com a mão em seu punho sustentando o seu queixo profundamente compenetrado a pensar...

E de tanto refletir acabou esculpindo a estatua de um homem assentado na mesma posição que ele se encontrava, e esta estatua esculpida estava com a mão em punho sustentando o seu queixo a pensar!...

E aquele que a esculpiu voltou-se a mesma posição e com a mão sob o seu próprio queixo ficou a pensar, e de tanto pensar acabou rotulando a estatua esculpida de o pensador.

E eu estou pensando!...

Com a minha mão sob meu queixo um tanto abstraído!...
Profundamente compenetrado a pensar!...

E de tanto pensar eu já nem sei se a estatua criou o pensador, ou o pensador criou a estatua!
Se foi ele quem a rotulou!
Ou se foi por ela ele rotulado, ou se ambos foram juntamente rotulados, ou se eu estou rotulando esta historia.

Mas pense bem!

Torna-se tudo tão sem sentido se o sentido de nossas vidas for apenas os nossos sentimentos.
Se tudo que sentimos é efêmero e inconstante, e os nossos ideais avassalam o momento.

Mas em outro momento somos apenas pretéritos nostálgicos rompantes da memória.

Ironicamente somos o passado do amanhã, e seremos o futuro que tão sem lógica menosprezara a tudo que hoje valorizamos por demais e damos a vida por resgate de nossos valores.

Dimensionamos a nossa epopeia para que no amanhã o futuro se refira a nós como pretéritos personagens arquivados na memória.

...E no memorial constituído seremos insubstituíveis antológicas personalidades que marcaram épocas.

Em nossos feitos grandiosos enaltecemos a lembrança, que pouco significa na esperança para quem seguir em frente em busca de novos ideais.

Somos importantes é verdade!

Mas que valor tem aqueles que há séculos passados rogavam para si prerrogativas que hoje achamos que nos pertence?

Estarias tu a lembrar-se neste momento:

De um mito do passado?

Somos eternamente gratos a eles pelo que fizeram, mas são personagens obsoletos com ideais rústicos ideologias ignoradas, e ainda que muitos foram a causa maior de hoje sermos o que somos, sermos como somos.

O ápice que eles promulgavam é apenas uma historia a se contar e por mais concreta que seja!

Converteu-se em teoria abstrata e obsoleta mesmo que ainda nos dias de hoje nos seja tão profícuos, absorvemos seus nutrientes, subjugamos seus protagonizadores, valorizamos a essência, menosprezamos seus emanadores.

Existe um vácuo entre o presente e o passado,
outro vácuo entre o presente e o futuro,
não sabemos de onde viemos, ou para onde iremos...

E por mais que a ciência se esmere para propiciar-nos uma consciência solida.
Torna-se insólita em suas hipotéticas teorias que não consolida a hegemonia momentânea que nos constituímos.

Há um paradoxo entre o homem e sua prole simbiótica no ventre e outro paradoxo entre o homem e os restos mortais de seus progenitores no sepulcro.

Embrionários, somos tão frágeis, no sepulcro somos tão decadentes, mas no pequeno espaço de vida somos tão imperativos!

Nossa raça criou filósofos, cientistas ideólogos, religiosos, “celebres pensadores”.
Mas também criou déspotas, tiranos, bárbaros e hediondos sanguinários...

Todos!
Foram pequenos embriões, vulneráveis anônimas perspectivas, mas consolidaram momentaneamente os seus ideais, avassalaram com os seus conceitos, e depois desceram a sepultura, para se converterem em escorias do que foi a sua momentânea vitalidade.

E quantos hoje são venerados nos seus túmulos onde subservientes incautos beijam o pó da terra que consumiu a carne putrefata destes ossos que jazem no sepulcro?!

Ser ou não ser? Eis a questão...
Dizia outro celebre pensador.

A estatua ficou no mesmo lugar estagnada com a mão sob o seu queixo sem vida, o homem que a construiu levantou-se e criou novas estatuas, seus contempladores criaram novos ideais avassalaram com novas ideias.
 ...E homens viraram estatuas, estatuas viraram santos e vivem venerados, idolatrados, porém todas estas estatuas amiúde precisam ser muito bem cuidadas para que não se deteriore com a ação do tempo.

TEMPO.

O tempo não criou novas estatuas com a mão sob o queixo a pensar!

Mas criou novos hábitos, preteriu os velhos, e de tempo em tempo, em cada tempo, homens foram nascendo, homens foram morrendo.

... E de tempo em tempo a historia foi se contando, a história foi se esquecendo...

A vida por si mesma é tão sem nexo, tão efêmera, tão incógnita...

É necessário algo mais do que a tão fútil vida para que ela deixe de ser tão fútil por si mesma.

Ser ou não ser! Eis a questão.




Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu seu filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. -João, 3:16-

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

Uma doutrina neopentencostal.

O evangelho é algo tão sublime que deve ser pregado apenas pelo Espírito Santo sem a interferência do homem, porém com a sua subserviência...




A grande explosão demográfica massificou a consciência coletiva cristã tornando a maioria em androides incautos ao que tange teologia, o que frustra os verdadeiros e ilibados apologistas cristãos.

O neo pentecostalismo do qual sou oriundo é extremamente raso e somos seres humanos comodistas na maioria das vezes.

Tão acomodados a receber o que acreditamos ser basilar ao nosso entendimento assinamos em baixo de tudo o que escrevem, desde que quem escreva tenha caráter, dignidade, quando na verdade nem sempre o mesmo tem idoneidade...

Produto de uma doutrina neo pentecostal me deparo com as minhas limitações e uma enorme preocupação, a de não tornar-me mais um insípido sensacionalista cheio de misticismo, mas sem nenhuma estrutura.

A questão não é apenas ideológica, vai muito além aonde uma filosofia de vida e pode deturpar a essência...

Não quero radicalizar e com isto dirimir o pentecostalismo, sei que acima de tudo esta a questão do caráter seja este um neo ou um pentecostal ou mesmo um tradicional, que não passam de teólogos que ditam cátedras conhecem a letra, mas mataram a verdadeira comunhão...

No fundo o meu intuito é de ser mais profícuo tanto aos neo pentecostais, como, aos pentecostais e ou tradicionais...
Mas como?!

Como agradar a todos se o próprio Cristo não fez, se Paulo também foi duramente questionado, e eram questionados nos princípios que promulgavam...

Hoje, de suas palavras criaram facções ideológicas e a cada dia fica mais obstante sem obter uma comunhão intrínseca com Deus devido a tantas disparidades que foram introjetada na consciência coletiva cristã...

Costumo sempre afirmar que não necessito ser um astrônomo para compreender que o sol não passa de  uma ínfima estrela perdida entre tantas outras que por sua vez habita em uma constelação também perdida entre milhares e milhares de outras...
Em fim!...

Que Deus me dê graça para que eu sempre esteja consciente das minhas limitações e jamais queira inventar algo que vai além do meu conhecimento.

Acredito que é possível manter uma genuína comunhão para com este mesmo Deus, ainda que não se tenha a ciência completa dos meandros da teologia...

Mas para isto é imprescindível que o tenha um coração exonerado para que Deus possa introjetar a simplicidade do evangelho.

E o mais importante, meditar exaustivamente nas sagradas escrituras...



Porque Deus amou ao mundo de tal maneira 
que deu seu filho unigênito, para que todo aquele que nele crê 
não pereça, mas tenha a vida eterna. 
-João, 3:16-

Malditos traficantes...

Jovens nas esquinas Vejo jovens nas esquinas e a esquina da vida é a esquina da morte onde a esquina do azar anulou toda sort...