terça-feira, 31 de maio de 2016

Meu anjinho, descanse em paz






















Descanse em paz meu anjo
Não verás o ódio dos homens
Nem a maldade de seus corações
Nem a dor da ingratidão
Não verás os homens explodirem
Morrendo e matando o irmão
Fazendo tudo isto
Por causa de uma religião

Não veras a miséria nos países pobres
O orgulho a ganancia dos países nobres
Nem ouvirá rumores de guerras
Ou a violência nas cidades
Sofreras com esta violência
Por causa de tanta maldade

Mal respirastes o ar desta terra
Ar que sufoca tanto a gente
O ar da poluição
Nos deixando cada vez mais doente

Os poderes dominando
E aos pobres sufocando
Os políticos mercenários
Roubando mentindo e enganando.


.
Eu vejo no seu semblante tanta paz
E eu sei para onde vais
Sei que é bem melhor do que aqui
Meu anjinho
Descanse em paz







Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu seu filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. -João, 3:16-

segunda-feira, 30 de maio de 2016

A maldição das drogas.


















Vale dos leprosos

Maldito vale dos leprosos
por onde ninguém quer passar
vegetam escórias rejeitadas
em que vidas humilhadas
de pessoas abandonadas
pelo vício segregadas.

Onde finda-se a jornada
e os sonhos não existem
onde vivem execrados
comumente ignorados
onde há peste fome e dor.

Onde a falta de amor
onde os olhos do Senhor
se comovem em tanta dor.

Maltrapilhos andarilhos
perambulando a vegetar
e se entregam por um trago
e se vendem pela peste
e se tornam cafajestes
perante uma sociedade
tão hipócrita tão omissa...

Onde o padre faz o sinal da cruz
o pastor não fala de Jesus
não os vejo empenhados
caminhando lado a lado
neste vale de leprosos.

Há tão poucos que o fazem!

E os políticos engomados
escondem o estigma dos viciados
pela maioria deles são ignorados,
mas são promessas nas eleições
em demagogas preleções...

E a polícia muitas vezes
tão viril com cassetete
avassala com a peste
e exercem a violência
a quem pede a Deus clemência...

Vejo o vale dos leprosos,
em cada cidade existe um
e em cada um existe vários
que vegetam nestas trevas.

...Eu me olho no espelho
mesmo com meus olhos tão vermelhos
não aventuro-me neste vale
não extirpo todos os males.

Óh, meu Deus!...
Dai-me graça e condição
me ajuda a ser cristão
que arregaça suas mangas
e chafurda neste vale
se impregne no mau cheiro
para emanar o seu perfume
resplandecer todo teu lume
neste vale de leprosos
onde já não mais se vive
e se vive é por um trago.

Trago uma dor dentro do peito
ao olhar para este vale
e ver tantos se humilharem
eu nada poder fazer
só estou a escrever,

que há vidas neste vale
mas que já não vivem mais!...



Vivemos uma epidemia que pode ser chamada de pandemia já que há muito deixou de ser uma questão nacional esta peste que avassala levando uma imensurável quantidade de pessoas ao vício.

Questões sociais, estruturais, governamentais, enfim!
Tentamos a todo custo encontrar a razão de as drogas estarem recrudescendo cada vez mais, e é justamente nesta hora que eu me torno antipático, mas necessário, pois sou renitente no sentido de dirimir qualquer filosofia que faça apologia ao seu uso.

Há muito caiu a máscara do romantismo psicodélico que teve sua prole nos anos sessenta nos alucinógenos festivais de Woodstock em que o movimento paz e amor colocava os jovens da época nus e sedentos tanto por sexo como por drogas.

Esta brincadeira tornou-se tão séria que muitos mitos que na época apregoavam o uso dessas mesmas drogas acabaram por ela envenenados e muitos morreram de overdose!

Morreram eles, mas não morreram os seus ideais que não somente contaminaram a sua geração, mas, em uma espécie de maldição hereditária, levaram cativos os seus filhos e, de geração em geração, as drogas recrudesceram de forma terrível e com ela a violência.
Juntando-se isso tudo a uma criação débil como a do adolescente Téo, e quantos como ele vivem por aí fazendo vítimas e mais vítimas, o que nunca se justificará.

Jovens cuja infância vem adulterada, deturpada por conceitos pragmáticos egocêntricos individualistas, o que tem sido outra pandemia, já que a nossa linda juventude quer seja aqui ou em outra nação sofre uma paulatina anarquia em que se sentem senhores de si mesmos para fazerem o que bem entendem, e o efeito colateral disso é a violência generalizada, sem sombra de dúvida.

Assistimos tudo e só gritamos quando presenciamos alguma atrocidade, alguma barbárie, mas depois de tudo calmo voltamos para a mesma letargia enquanto a violência no recôndito dos subconscientes prepara outra vítima, para que nós novamente venhamos alardear, alvoroçar para depois nos acomodarmos novamente neste maldito círculo vicioso.

 Obviamente não posso ser injusto, muitos arvoram a bandeira desta luta inglória, tanto contra a violência como também contra as drogas, porém, ao vê-los, lembro-me da história que ouvi sobre um velho professor que gostava de caminhar pela praia.

 Certa manhã, ele depara-se com um jovem que incansavelmente pegava estrelas− do− mar que estavam na praia e as arremessava de volta para a água, e ao ser indagado pelo velho sobre o porquê de tão persistente atitude o jovem lhe respondeu:
− É que o sol vai esquentar, e elas morrerão se permanecerem aqui.
Um tanto cético, o velho replica:

− Mas existem milhares e milhares delas, e não tem jeito de salvar todas!

O jovem lança mão de mais uma estrela− do− mar e exclama:
− Pelo menos para esta aqui tem jeito!
Então o velho professor arregaça as mangas de sua camisa e começa a ajudar o jovem.
Sinto-me como o jovem dessa história, e o meu coração se faz em constante clamor.
 Senhor!

Sei que não posso mudar este mundo, mas pelo menos me deixa tentar!

Texto do livro
Síndrome das drogas
clik no saite abaixo





Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu seu filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. -João, 3:16-

sábado, 28 de maio de 2016

uma sociedade que não se ajusta.


Violência não se tem se cometido
apenas contra esta jovem,
mas contra uma geração
cujas mentes jaz em poluição
na mais horrenda degeneração.

E a culpa é minha,
é sua
é nossa
da imprensa
do sistema.

Da religião
da falta de profilaxia,
da falta de Deus no coração.

...E neste circulo vicioso,
paulatinamente nós criamos nossas anomalias
cujos efeitos colaterais
germinados pela consciência coletiva
que se perde em seus direitos e deveres,
no hedonismo que se inflama e seus prazeres,
vitimando esta jovem
que antes de ser vitima dos que a barbarizaram,
já era vitima desta sociedade que não se ajusta.
.
Não posso culpar a imprensa
e esconder a minha culpa
é lógico que jamais inocentarei
a quem desta forma agiu,
mas é necessário antes de condená-los
refletir aonde estamos errando.

Como sociedade somos células vivas
e convivemos evidenciando as circunstancias!...


Somos seres humanos temos filhos
que por sua vez tem seus amigos
e entre filhos e amigos,

eu temo que a falta de referenciais
tornem nossos filhos ou os seus amigos
egoístas demais a se olharem no espelho
deixando de ver na janela
toda a miséria
que está desesperadamente implorando
para que sejamos mais seres humanos.

Não apenas nos momentos terríveis
quando uma jovem é estuprada,
mas desde o momento
em que a mesma começa a pensar!
A ter sentimentos.

Não isento aos pusilânimes que fizeram tal barbárie,
ao contrário,
que sejam passiveis de as mais severas punições,
só que antes de puni-los,

É imprescindível que venhamos
a sonhar com um mundo melhor,
não apenas para nós e ou
os nossos entes queridos...

Mas acima de tudo,
para o próximo,
para que o mesmo
aprenda a ser mais humano

como nós acreditamos que o somos...





Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu seu filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. -João, 3:16-

APOCALIPSE.



















Ele viu uma multidão incalculável
um povo pervertido abonável
que de forma obstinada
 seguiam cegos para o inferno.


Ele viu as promiscuidades, as orgias,
viu usurpadores escarnecedores,
ele viu os falsos pastores!

Lobos em pelo de cordeiro
se dizendo mensageiros
santos de Deus medianeiros
covil de cobras e interesseiros.

Viu o evangelho que custou o seu sangue
sendo vendido, deturpado, vilipendiado
em sofisma, pelo anátema trocado.

Ele viu o adultério,
o homossexualismo,
a prostituição,
como a mais horripilante abominação
os escândalos envolvendo tantos cristãos
viu corromper-se toda a geração.

Viu o sofisma o sincretismo
o pragmatismo o humanismo
 ele viu todo relativismo
como forma de universalismo

de uma igreja equivocada
com a porta escancarada
que permitia tudo
não se importava mais com nada.


...e todos cantavam e dançavam,
muitos até o louvavam
mas como insanos se embriagavam
com o cálice da luxuria
a volúpia se entregavam,

e de maneira alguma acreditavam
que a festa iria acabar
que a orgia iria se findar
que todos tinham contas a prestar
por fazer tudo que não presta.

Mas no meio dos que iam para o inferno,
queimar eternamente em fogo eterno.
redundante horripilante flagelo.

Ele pôde ver você
que seguia sem saber
que morria sem entender
que ele não morreu para os escarnecedores
obstinados infratores
egocêntricos se entregavam
para ganancia e luxuria se vendiam
de arrogância e orgulho se entupiam.

Por isto me usa pra dizer,
que ele não morreu em vão!
Ele morreu foi por você!




Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu seu filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. -João, 3:16-

quinta-feira, 26 de maio de 2016

Este trem vem da capital

Há uma luz no fim do túnel
onde o bêbado caminhava
cambaleava ele tão tonto
pois a luz o ofuscava.

e o bêbado andava
a luz forte a zunir
e o bêbado tonto a rir
claudicante a prosseguir

quanto mais ele caminhava
mais a luz se aproximava
mas o bêbado estava tonto
e não entendia nada

caminhando sobre os trilhos
ia o bêbado passo a passo
ele não enxergava nada
nem a luz ele notava

sai do trilho bêbado estupido
deixa este trem passar
vai curar sua ressaca
ou beber noutro lugar

este trem é perigoso
deixa este trem passar
deixa ele seguir seu rumo
você precisa se levantar

este trem vem da capital
está cheio de escoria
ele vai cair no mar
e acabar com a sua história

só a historia pra contar
que um trem desgovernado
descarrilou saiu do trilho
no abismo foi lançado

mas levanta ó pobre bêbado
vê se para de beber
você não nasceu um bêbado
pois nasceu para viver

viver livre deste trem
desta maldita cachaça
que te faz andar tão bêbado
e viver só na desgraça.






Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu seu filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. -João, 3:16-

quarta-feira, 25 de maio de 2016

O tempo não para!...






















Um dia um poeta me disse em sua canção.

...Temos todo o tempo do mundo!
E depois declarou que é preciso amar
as pessoas como se não houvesse amanhã.

Já o outro poeta contemporâneo seu
me disse que o tempo não para!...

E o tempo não para!
Os levou para sempre!...

Mas não levou as suas canções!
Que foram poesias que marcaram épocas,
sementes plantadas em nossos corações...

Eu descobri com o decorrer do tempo
que não adianta apressar ou adiar este tempo,
mas podemos com o tempo e de tempo em tempo
tornar nosso tempo melhor.

Porque se pararmos para pensar
e amar como se não houvesse amanhã
entenderemos o coração do poeta
pois na verdade não há!

E agora com tempo que eu tenho
dedico em escrever para você
nem sei se você irá ler!

Mas é o tempo que tive
e com as sementes que tenho nas mãos
e eu dou pra você,

para plantá-la em seu coração.



Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu seu filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. -João, 3:16-

O doador de sonhos

Texto do livro "Síndrome das drogas"













Um sonho somente termina
quando deixa de ser uma realidade dentro de nós,
e ainda que ele seja embargado,
viverá em nossos corações alimentando as nossas esperanças.

As vidas daqueles que não sabem amar e por isto não sabem sonhar fazem de sua existência a razão maior para obstruir aos que amam a vida e por amá-la vivem o presente em razão de se sonhar com um futuro melhor.

O sonho é o mecanismo que insufla o coração sublevando uma alma, e quando este sonho é coerente com o anseio, torna-se a razão maior um motivo sublime de fazer da filosofia de vida algo dinâmico e eficaz.

A coerência de um sonho parte da idoneidade de respaldar o abstrato na consistência substancial de um argumento sóbrio e ilibado.

Um verdadeiro sonho é impossível até que se concretize, mas nós é que convertemos tais impossibilidades em uma argumentação para subtrair nutrientes que o tornam mais viáveis.
Quando o sonho é idôneo, ainda que momentaneamente volátil nos faz cônscios e mesmo que o mesmo não se torne uma realidade, se nós trabalharmos nossos anseios sem alienarmos, viveremos acondicionados em algo mais profícuo do que o próprio sonho.

A vida.
É imprescindível que se viva a vida para se viver o sonho, pois não existe sonho maior do que a própria vida, e viver é bom!
O tesouro maior da vida é o coração que amiúde a faz pulsar enquanto pulsa a nossa esperança, e, se um sonho se esvai, ainda que durante algum tempo ele tenha sido a razão maior de se viver.

Fazendo do coração o tesouro que pulsa sublevando a esta mesma vida, outro sonho se inicia, e o sonho que se foi se converte em passado e não importa se sorriu ou se chorou.

    DEUS

Ele é o maior sonhador e nos doou o direito de sonhar, pois seu sonho é ver os nossos sonhos intrínsecos aos sonhos deles para então vivenciarmos a epopeia de nossa filosofia de vida.

Não falo apenas de uma aceitação mental, é mais do que necessário que um visionário traga intrínseco ao seu coração a essência que arregimenta os seus ideais.

Um ideal só é nobre quando a filosofia de vida que se promulga visa reverberar o convívio de forma harmoniosa e edificante.
O egoísmo por si mesmo é uma arma letal para que se deturpe todo um ideal fazendo com que o mesmo torne-se obstinado e sem um propósito ilibado.

Todo aquele que almeja sobrepujar a excelência, acima de tudo tem que compreender que se não nutrir de uma ideologia altruísta, ele jamais conseguirá atingir um paradigma cônscio.

Os sonhos são como sementes que plantamos sabendo que é necessário vê-los morrer paulatinamente sob o solo de nossos propósitos para que os mesmo possam dar lugar à esperança e à consciência de que fizemos tudo dentro de nossas condições.
Bem-aventurado é todo aquele que não estabelece seus ideais à revelia, mas que procura respaldar-se em algo que seja consistente, ainda que paradoxalmente estes mesmos ideais pareçam aleatórios.

A certeza que motiva o coração e a seiva preciosa para que se estabeleça sobre este paradigma implementado.

Deus é a síntese de tudo e a força que arregimenta todo ideal, desde que este ideal esteja de acordo com os seus propósitos.
A sua superlatividade vai muito além de nossas expectativas e não falo de Deus como uma força mística que emana no cosmo.
Falo dele na simplicidade de alguém que tudo pode, pois é onisciente, onipresente, onipotente, enfim!

Ele é Deus e isto é tudo.
E quando estamos intrínsecos a este mesmo Deus, obviamente sua consciência magnificente sempre nos conduzirá em triunfo ainda que pareça que estamos perdendo, por isto a necessidade de se perseverar, pois, ainda que não se consiga, há dignidade em morrer a caminho, em busca dos nossos ideais, sabendo que a maior vitória está em Deus, o resto é apenas acréscimo...

Para isto é imprescindível que usemos uma palavra monossílaba, cuja eficácia pode mover o mundo...








Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu seu filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. -João, 3:16-

segunda-feira, 23 de maio de 2016

As mais lindas flores!

Certa garotinha decidiu fazer um canteiro de flores em um lugar bem às escondidas, pois temia que os seus irmãozinhos peraltas que eram pudessem destroçá-lo.

Tomou todas providencias e com excesso de zelo não mediu esforços para deixá-lo muito bem cuidado, regava-o com todo carinho esperando que as mudas de flores que ganhou de sua avó viessem brotar dando as mais lindas flores!

... E sonhava acordada e ansiosa para ver o dia que o lindo jardim todo florido encantasse a todos, até que certa manhã a pequena garotinha ficou perplexa com o que aconteceu com o seu tão sonhado Jardim, pois uma vara de filhotes porcos se desprendeu do chiqueiro e foram direto para o canteiro que ela havia feito e o destruiu completamente.

A decepção foi tão grande que a menina foi embora em prantos e soluços enquanto dizia baixinho consigo mesma:

- Deus não gosta de flores!...

...Passado algum tempo veio uma suave chuva que molhou aquele abandonado canteirinho todo fuçado onde as sementes das mudas embrenhavam-se entra a terra.

Estas sementes que antes estavam ressecadas junto à terra que pela mesma forma também havia sido causticada pelo inclemente sol, mas depois de poucos dias esta deram o ar de sua graça, e o mesmo sol que antes a causticava agora emanava seus raios matutinos que aqueciam as mudas que começavam a brotar e quando o calor se tornava mais intenso uma nuvem deslocava-se no céu e cobria aquele esquecido jardim.

A noite trazia o frescor noturno e de madrugada o orvalho revigorava as mudas que a cada dia se tornavam mais viçosas onde em uma vigília continua aquele preterido jardim era cuidadosamente zelado.

Hoje, borboletas, besouros, abelhas, beija flor, espalham o pólen das flores deste jardim dando continuidade ao fluxo da natureza...

Pena que a pequena jardineira ao ver o lindo jardim que um dia ela sonhou não consegue associá-lo com as pequenas mudas que levava em suas mãos, já que o mesmo expandiu-se tanto ao ponto de tornar-se um enorme campo florido...

Éh!...
Tem razão!
Deus não gosta de flores!... 





Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu seu filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. -João, 3:16-

Malditos traficantes...

Jovens nas esquinas Vejo jovens nas esquinas e a esquina da vida é a esquina da morte onde a esquina do azar anulou toda sort...